terça-feira, janeiro 20, 2009

It

Mãos que se soltam vibráteis,
deslizam sonhos de névoa etérea nos montes brancos dos teus seios,
e eu olho-te no entremeio a guardar acocorado este lugar.
Urgem-me fogos-fátuos dispersos,
centelhas cavalgadas na aragem da noite,
a aguardar que a cobiça fique morna,
a latejar.
sempre a latejar.
E ao ver-te assim espuma,
eu que vim da terra à água hei-de voltar.

5 comentários:

  1. dassss estou aqui agarrada isto é lindo

    ResponderEliminar
  2. ehehehe...clairepeixesnévoa
    merci
    ;)

    ResponderEliminar
  3. JP, vou levar este texto para acompanhar 3 aguarelas, para participar na tertúlia virtual, o tema é “tempo.
    deixa???
    beijo

    ResponderEliminar