quinta-feira, dezembro 07, 2006


As palavras,

ficaram suspensas nas gotas de orvalho que te deixei de manhã.

Não te molharam as mãos?

Repara, estão lá, titilantes e frágeis, um toque e deslizam na folhagem verde veludo dos fetos da mata, no cheiro da madeira húmida pejada de líquenes, no musgo fofo da rocha onde pouso a mão sentada à espera da madrugada.

Não te espelhas no brilho?

Não?

Que parte embaçada te fez a vida?

Tornou-se demasiado oferecida?


imagem daqui

15 comentários:

  1. Fantástico.
    Adorei as linhas. As palavras.

    ResponderEliminar
  2. :-)
    eh pá, obrigado reanimadora, e bem vinda à tasca.

    ResponderEliminar
  3. A vida demasidado oferecida que já estamos cegos para as pérolas da alvorada?

    Acho que tens razão, Jaquelina Pandemónio

    ResponderEliminar
  4. A propósito destas palavras lembrei-me de um episódio que aconteceu no sábado: Tocam-me à campaínha, abro, e do portão diz-me um senhor: (...) Venho falar-lhe dos problemas da vida!

    De imediato agradeço-lhe e mando-lhe a bold "não tenho problemas e sou muito feliz, muito obrigada!"

    Calei o cão, fechei a porta, voltei para os miminhos da família e senti-me ainda mais feliz por ter dado uma resposta verdadeira para despachar duas testemunhas de um qualquer credo!

    Costumo reparar nas gotas de orvalho e na festa que os passarinhos fazem na relva logo pela manhã! E sabe bem! ;)

    ResponderEliminar
  5. Sabes Hipatia, não acredito que estejamos completamente cegos,mas a maioria para lá caminha Questão de inversão.
    Custa?
    Ah pois, há muito que as coisas deixaram de ser de borla
    ;-)

    ResponderEliminar
  6. Dizer e crer é que se torna raro Patioba :-)
    As ramelas depois de lavadas deixam-nos ver o orvalho, o cheiro, o som, antes de começarmos a ver o aço, o alcatrão e a constante falta de civismo,mas isso já são outros quinhentos
    ;-)

    ResponderEliminar
  7. A Bastet pediu-me para deixar aqui um beijinho dela e votos de Bom Natal.
    E eu sou bem mandado e cá fica também um recado de que ela não tá a atinar com estas caixas de comentários beta xpto e por isso teve de recorrer aos préstimos do esqualo.
    Tá dado o recado e eu ajunto-lhe a minha dose do mesmo.
    Feliz coiso e tal, Jotapê! (só pra não dizer sempre o mesmo, já sabemos do que se trata)

    ResponderEliminar
  8. E o post? Uma delícia. Uma pessoa parece que está lá, a apanhar nas orelhas com o griso da madrugada.
    Arrepiante. No bom sentido.

    ResponderEliminar
  9. Pois é Shark, os amigos tb servem para dar recados na incapacidade do outro lado. A bastet tem mãos de alforreca, e desatina facilmente com cenas novas.
    Mas está o recado dado,recebido e embrulhado em papelinho de seda, que estas coisas sabem sempre muito bem.

    E para ti esqualo, feliz coiso e tal a dobrar
    ;-)

    ResponderEliminar
  10. Ah! e sobe-me esse cachecol, que lá porque tens pele de tubarão ,as manhãs estão frias e orvalhosas!

    ResponderEliminar
  11. Olá miúda!

    tentei deixar este comentário no teu blog: "Continuo a gostar dos cheiros da manhã e dos brilhos da água nas folhas e nos corpos. A vida oferece-se a espaços a quem tem as mãos abertas para a receber.

    Pega lá um beijo com saudades."

    Mas o parvo do teu sistema de comentários não me deixou... Porquê?

    Hum???

    Andas sempre a arranjar umas merdas para eu não te poder ler e comentar é o que é :)

    Feia!

    Beijinhos aos molhos
    Bastet

    ( e pronto já transferi para aqui o dito comentário.
    Tenho que te dar umas aulas, está visto)
    :D

    ResponderEliminar
  12. ...que importa a imagem, perante tão belas palavras?...

    ResponderEliminar
  13. Complementa?
    Bem vinda ivamarle, e obrigado.

    ResponderEliminar