sexta-feira, abril 28, 2006



imagem daqui

Argonauta de peito feito surdo ao canto das sereias.
Deixa-me ser escarpa em palmas de mãos expostas.

Esconder-te-ei o logro.

Anda, que te penteio sob o luar.
Descansa neste seio de brilho dúbio, repousa as vestes na falésia.
Anda, que te afago a pele farta de sal.

Depois, de volta ao ondeado do dia, expia só desejos inusitados e insatisfeitos.
Mas deixa que sejam meus para tos poder tornar teus.

3 comentários:

  1. Então é isto que é fazer de conta, carissimo JP? Não está nada mau. :-)

    ResponderEliminar
  2. Passa mais por ser carissima, Humor negro ;-)
    Mas obrigado na mesma :-)

    ResponderEliminar
  3. JP:

    Esta foto artística e sensual rústico, se é que podemos assim classificar, encaixa-lhe bem a inspiração e o mote que possas dar. Um beijo.

    ResponderEliminar