sexta-feira, outubro 28, 2005

A rapariga Do Voz em fuga, uma tal de Hipatialudovina, lançou mais um desafio lá no blog.
Que não te falte nada minha amiga.
Ora toma lá, e não digas que vens daqui.

"Apanhavas as laranjas devagar, esquecidas pela árvore no quintal, em gestos mansos de quem é dona do tempo. O sol inclinado tremeluzia-me os olhos, criando a imagem distorcida do teu bailado, ao som que só eu ouvia no desnudo dos teus braços. Fitei a aura do teu cabelo, emaranhado na verga da cesta.
-Sempre gostei do teu cabelo. Comentei já distraído, com o carreiro de formigas que teimava em passar por cima do pé direito.
Para aqui sentado, no estupor das três da tarde, estiquei preguiçosamente os braços e, levantei-me inquieto acendendo o cigarro.
Mais tarde, assim nua e despudorada, sorriste-me tristemente de copo na mão.
-Porque estás triste? Não te dei já o sumo de laranja que querias?
-Sim é verdade. Mas sabes meu amor, estas laranjas são ácidas…"

23 comentários:

  1. e o que me levou a ver uma criança onde viste(s) uma mulher! e como me apetece agora um desses sumos de laranja ácidos! :)

    beijokos, j.p.

    ResponderEliminar
  2. À primeira olhadela também vi uma criança. Mas prefiro de longe a fase adulta,ao contrário de muita gente que dava uns trocos para ser criança.
    A minha criança interior mexe-se melhor no meu corpo de mulher.
    Beijinhos mrf

    ResponderEliminar
  3. A mrf viu uma criança e suponho que o sumo fosse doce; o Sharkinho viu uma mulher e o sumo também era doce; tu viste uma mulher e o sumo era de laranjas ácidas; acho que a Duende encontrou um sumo de laranjas amargas...

    Os textos estão todos tão lindos, tão diferentes e eu estou a gostar tanto!

    E bem que soltei uma gargalhada com essa do carreiro de formigas. É que me apanhou completamente de surpresa. Claro que adorei!

    Obrigada, J(aquelina)P(andemónio)

    :)))

    ResponderEliminar
  4. J(aquelina)P(andemónio)?!!
    mmmmm,eu sabia que não devia profanar o nome dos outros em vão...mmmm....
    ;P

    ResponderEliminar
  5. Acho que te vai muito bem ;-)

    ResponderEliminar
  6. Já vi que há várias opiniões.Entendi-a na fase adulta, como disseste, com um sarcasmo violento dirigido ao seu antigo companheiro...
    É uma possibilidade de leitura,ou não?!

    ResponderEliminar
  7. É a certa mfc, é a certa.
    ;-)

    ResponderEliminar
  8. quando era miúda, por acaso tb senti essa pressa de crescer, mas agora perdi a pressa toda. pressabeste?

    ResponderEliminar
  9. Estou a gostar do que estou a ler...
    Um verdadeiro exercício de escrita criativa...
    Obrigam-me a desenhar mais...

    ResponderEliminar
  10. Eu já te respondo mrf , tu e a pressa de leres depressa, aquilo que não deve se lido a correr ;o)


    E gaivina , ainda bem que gosta. E duvido muito, mas muito, que se sinta obrigado a desenhar ;o)

    ResponderEliminar
  11. Os teus posts estão a tornar-se cada vez mais profundos... Conta lá... Inspirações provenientes dos doentes?? ;)

    beijos

    ResponderEliminar
  12. Dos doentes Nathaniel??!! Mas tu andas a dar no fentanyl ou quê?! Cruzes canhoto...
    ;-)

    ResponderEliminar
  13. Fantástica a ironia e o ar campestre. Fantástico escreveres pelo lado masculino.

    Oh j.p. posso dizer o lugar comum de que a tua escrita é fascinante? ;)

    ResponderEliminar
  14. Podes(cof...cof..) :o)
    Sabes, na maioria das vezes é importante conseguirmos perceber o outro lado da cena ;-)

    ResponderEliminar
  15. Gostei de ler o obordar do sentido das palavras deste texto. Continue. Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  16. Obrigado pela visita e pelo incentivo Maria do Céu.
    Cumprimentos, também.

    ResponderEliminar
  17. J.P., a tua escrita é um autêntico exercício à capacidade de leitura, senão vejamos: o fruto é esquecido pela árvore, o sol inclinado às três da tarde, já com o cabelo emaranhado, no cesto que carregas com o cansaço ainda acendes o cigarro, sentada debaixo da árvore com as formigas que teimam em não passar ao lado. Por fim um copo de líquido na mão para passar a sede da laranja ácida sem doçura. Muito bonito. Parabéns JP. É por isso que volto sempre. Beijinhos.

    ResponderEliminar
  18. Ele,é que estava sentado e acendeu o cigarro.
    Desta vez faz de conta que eu era o ele.
    Beijinhos Soslayo

    ResponderEliminar
  19. Maria do Céu , se estiver na terra, oiça que tb gostei mt de abordar o sentido das palavras deste texto. Era para dizer qq coisa mas esta frase esmagou-me. Deixou-me sentido, em sentido

    ResponderEliminar
  20. J(ustina) P(aciência),

    Põe lá aqui o link para o "Proximizade".

    Vais ver que não dói nada ;)

    http://proximizade.weblog.com.pt/

    ResponderEliminar
  21. Hipatia Ludovina da Purificação
    a morfina é mnha amiga, sei lidar com dores ;-)
    Já lá está, embora eu seja mais de meter a mão na pele.

    ResponderEliminar