segunda-feira, outubro 24, 2005

Desatino o dia em que desejei ser apenas eu, ou outra qualquer, ou apenas um pedaço de pele daquele outro ali. O servilismo não me serve, casaca apertada que me dana o tórax. Desatam-me impulsos imediatos de fuga, para não te escutar os passos que nem sempre caminham a meu lado. Nem sei se o que escolhi é verdadeiro, ou mero esconderijo da tralha diária que teimo em acumular.
- Acomodada! Disparas tu em critica mordaz, abrindo uma ameia nessa tua redoma de vidros estalados e recopiados.
Acomodada, por tentar deixar de brigar?!
Se calhar é mesmo isso.
Deixar que a vida dos outros me devore.
Terei que consultar de novo o espelho…

14 comentários:

  1. e se em vez de acomodadda, indiferente? para que a vida dos outros não te devore.

    (e adoro a foto, que te inspirou? ou que se ajustou?

    ResponderEliminar
  2. A minha aparente indiferença, ou na grande maioria das vezes verdadeira indiferença, é que é acusada de acomodada. lamentável é ser aqueles que eu amo, os primeiros a "devorar-me".
    E a foto ajustou-se ao espelho que tenho na alma

    ResponderEliminar
  3. E o espelho não te dá sempre a resposta que já bem conheces? É que o meu costuma dar ;-)

    ResponderEliminar
  4. Dá. A porra é que nem me apetece vê-la ;-)

    ResponderEliminar
  5. Ânimo JP.

    Não pode ser assim tão mau. demonstra-lhes o quanto amas e a beleza que tens dentro de ti.

    Beijo grande.

    CSD

    ResponderEliminar
  6. "é preciso não olhar demasiado os espelhos dos mágicos. corre-se o risco de lhes arrancar a imagem."

    ResponderEliminar
  7. O que eu gosto mesmo é de gajinhas queridinhas, muito amiguinhas dos seus amigos, muitas “chochices” de bom dia, boa tarde e boa noite, muitos “ois” e ícones amarelinhos com bochechinhas coradas e risonhas.
    -É tão bom estar aqui no fórum com todos vocês rapazes bonzinhos e simpáticos, obrigado pelo apoio, tratem-me bem e nas palminhas que sou uma “ nina” muito “kida” e gira aliás, (podem ver a minha foto aqui se estiverem interessados) e não sejam maus uns p´ros outros que eu fico tristinha, porque eu sou muito boazinha p’a todos, bigada.

    DISSESTE TU, HÁ UMA DATA DE TEMPO. LEMBRAS-TE?

    BEIJOS

    ResponderEliminar
  8. andas particularmente inspirada!! :)

    ResponderEliminar
  9. é da chuva rapazes e raparigas, é da chuva...

    ResponderEliminar
  10. Desculpa lá JP mas isto parece um tribunal (ok, ja sei que me vais dar porrada) em que já toda a gente tomou partido e ajuizou a teu favor. Não, eu sei que não se trata disso, mas se puder ser isto uma história não deixes que depois o remorso te faça querer contar sempre a mesma história, mesmo que de forma artistico-poética. Ouve o que te dizem as outras histórias, não há vencedores, olha que não há vencedores

    ResponderEliminar
  11. JP, o teu grito é: o grito de liberdade e independência pessoal. O servilismo não te serve porque só o és, servil, em relação ao amor. O amor chama e é passageiro e a tua liberdade é infinita. Felizes dos que são servis ao amor, pois amam com todas as forças. O espelho esse, nem sempre espelha o sentir que vem de dentro.

    ResponderEliminar
  12. I'd have to say that I agree with you 100%. You might like this golf vacation golf site that I came across. Thanks again for your insight.

    ResponderEliminar
  13. Não vais levar porrada, porque até tens razão. Aliás esta história que se repete atavicamente, é reconhecível por isso escrita. Faz tudo parte do “tratamento” meu caríssimo Carlos. E tens razão ao afirmar que não há vencedores,nestas histórias nunca há...


    O meu grito quase de "ipiranga" já se deu há algum tempo.Agora é saber preservar os afectos transformados, Soslayo.

    ResponderEliminar
  14. alguém me pode dizer de quem é esta foto?

    ResponderEliminar