quinta-feira, abril 17, 2008

A chamada

A noite correu-lhe mal. Deu voltas e mais voltas beliscões na almofada, suspirou, tornou a suspirar, a perna esticada a perna enrolada a perna com cãibra, a testa enrugada e mais uma punhada na almofada. Adormeceu por exaustão e acordou quatro horas depois ao som do telemóvel que frenético andava ás voltas sobre si ali ao lado.

-O pai morreu!

-Ah, qual pai?

- O nosso, pá! -E a voz entaramelada do choro.

-Quando?

-Hoje ás 9h, vou buscá-lo a Lisboa.

-Ah…está bem, quando chegares avisa. Queres que vá ter contigo?

- Não, eu aguento-me.

-Beijinho e vai com calma.

-Sim, vou.

No espelho à procura de uma emoção só vislumbrava remelas e a tez baça. Lavou os dentes ajeitou os cabelos e urinou. Cinco minutos mais tarde enquanto mexia o café e olhava lá para fora pensava que, há rios que quando secam é para sempre.

O luto já tinha mais de vinte anos e estava um dia lindo lá fora outra vez.

8 comentários:

  1. As relações morrem mais cedo que as pessoas...

    ResponderEliminar
  2. sendo que, são as pessoas que as matam mais cedo também...

    ResponderEliminar
  3. 20 anos de luto permanente? é muito...

    ResponderEliminar
  4. o tempo é relativo fábula.
    :)

    ResponderEliminar
  5. premonitório o sono, hem?

    ResponderEliminar
  6. e acontece vezes demais para surpresa dos demais,aNa.
    ;)

    ResponderEliminar
  7. O pormenor da mijinha tem o seu quê...

    ResponderEliminar
  8. tem shark...chama-se requinte...
    ;)

    ResponderEliminar