sexta-feira, outubro 07, 2005

Embebedei-me de aromas ao tocar a pedra áspera. Arcada bruta nascida do sonho de mostrar poderio. Palpei de novo as raízes da infância, quando as azedas eram mais azedas, e o coração menos brando.
Que carranca séria, disseram-me. - Solta o riso que as flores agradecem!
Muda encaracolei-me no axadrezado hipnótico. O eco dos passos uma cortina de fumo.
Fiz girar só mais uma vez o globo ajeitado sobre a pianola. Sempre me agradou aquela rotação dessincronizada de chiar murmurante.

-Preciso de ar, com licença. A pressão no peito estalava-me nas têmporas. Saí sonâmbula para o jardim, que outrora me parecera maior.
– Tem cuidado que o candeeiro de ferro ainda continua pisco. Disse que sim com a cabeça, e avancei.
O laço do passado jamais seria recuperado.
Acocorada no lajedo, explodi em lágrimas, choro calado de quem se lembra vezes demais, solto agora em arquejos de raiva aliviada…


Para a Divas
(prenda de anos...chiuuuu!)


E agora vão lá ler o que ela pede no seu geito manso

22 comentários:

  1. estou que nem posso. é muito bonito, j.p.!
    muchas muchas gracias

    beijo grande da ruiva

    ResponderEliminar
  2. Um belo texto.

    Talvez a melhor maneira de escrever, seja não pensar em nada e deixar a coisa fluir...

    ;-)

    ResponderEliminar
  3. Tens razão Old, é a melhor maneira.
    Obrigado
    ;-)

    ResponderEliminar
  4. com um texto assim, um tipo vir aqui e escrever que "geito" está mal escrito parece mal, muito mal, mas está. desculpa.

    ResponderEliminar
  5. Acredito que jeito, escrito assim talvez te pareça melhor. Mas não apliquei esse jeito como forma de disposição, propensão e ou aptidão. Este geito vem de gesto, que também procurado em diccionário manda ir ler jeito.
    E garfanho os comentários servem mesmo para isso. A livre circulação ainda é parte deste lugar. E se te fez feliz a correcção em laivo de preciosismo, quem serei eu para te retirar esse gozo.
    Estás desculpado.

    ResponderEliminar
  6. E é mais roupinha nova, Gasel.
    ;-)

    ResponderEliminar
  7. Lindo, lindo, lindo, JP.
    Traz-nos mais textos assim!

    ResponderEliminar
  8. E parabéns pelo novo look!
    Discreto, bem arrumado e giro.

    ResponderEliminar
  9. Está lindo!

    (Mas o que haverá naquelas imagens que nos faz pensar em coisas tristes?)

    ResponderEliminar
  10. Querida J.P., tens uma prenda pequenina para ti no Divas. E mais uma vez, obrigada. :)

    ResponderEliminar
  11. http://divasecontrabaixos.blogspot.com/2005/10/para-ti-jp-obrigada.html

    ResponderEliminar
  12. JP, está de facto uma prosa poética muito bonita.«Embebedei-me de aromas ao tocar a pedra áspera» da aspereza da pedra transformada em aromas. Bem elaborado.

    ResponderEliminar
  13. Soslayo,os meus cheiros vêm sempre com os toques. Lá dizia a minha avô que a minha costela espanhola não me largava. Para ver e cheirar tinha que mexer ;o)
    E obrigado Soslayo :-)

    ResponderEliminar
  14. amanhã começam as eleições, desta vez sem Fátimas e Avelinos nem Valentins...

    ResponderEliminar
  15. eh pá!
    obrigado Claudia
    Beijinho

    ResponderEliminar
  16. Não consegui vencer o contrangimento e votar, no Divas. Precisamente porque estava a concurso. (tu conseguiste). Venho agradecer-te o teres gostado das minhas palavras e dizer-te que me dá muito prazer ler coisas bem escritas; costumo ser exigente nas apreciações e o teu texto é um dos que levaria o meu voto, juntamente com a Saphira, ambos saídos das mãos de artesãos verdadeiros, com um sentido maduro daquilo que é a escrita.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  17. Terna senhora que desenhais palavras.
    Nem sei que te diga depois do elogio tecido. Fiquei obtusa. Eu que por norma me minimizo, evocações menosprezantes de infância, ler que escrevi com mão de artesã a escrita madura...
    Regenera-me o ego as tuas palavras.
    Compreendo o teu constrangimento, eu é mais ao vivo e a cores ;-)
    Mas nestes últimos anos aprendi a verbalizar o que sinto. Trouxe-me muitos dissabores, mas exultantes vitórias. Cada um é como é, e a graça está toda aí.
    Habituei-me a dizer quando gosto, e gosto muito do que também escreves.
    Viva a vencedora!
    Bebe um copinho por moi
    Beijo grande e obrigado

    ResponderEliminar